Engenheiros sul-coreanos alteraram os limites da fusão nuclear e estão mais perto de conseguir energia ilimitada

Engenheiros na Coreia do Sul alteraram os limites da fusão nuclear, estabelecendo um novo recorde para a manutenção de plasma. Plasma é um dos quatro estados da matéria ? os outros são líquido, gás e sólido.

Em um reator de uma instalação de fusão nacional, uma equipe conseguiu manter o plasma superaquecido em estado estacionário por mais de um minuto. O novo recorde representa mais um passo para a fusão nuclear como uma fonte potencialmente ilimitada de energia. O instituto, localizado na cidade de Daejeon, próxima de Seul, está desenvolvendo um reator de estilo tokamak, que visa aproveitar a energia dos átomos de fusão.
De acordo com a World News Nuclear, o Instituto de Pesquisa da Coreia do Sul National Fusion (NFRI) alcançou um recorde mundial para a operação plasma. Usando o reator coreano tokamak supercondutor de Pesquisa Avançada (KSTAR), a equipe manteve o gás de hidrogênio superaquecido em um campo magnético por 70 segundos – uma etapa fundamental do processo de fusão.
“O recorde mundial de plasma de alta performance para mais de um minuto demonstra que a KSTAR é a vanguarda em tecnologia de operação de plasma em estado estacionário em um dispositivo supercondutor”, o NFRI disse em um comunicado. Enquanto outros grupos, como o da França, mantiveram reações de fusão por mais de cinco minutos, a equipe coreana conseguiu alcançar um alto desempenho de plasma, reduzindo o fluxo associado com o estado superaquecido.

Os reatores de fusão nuclear funcionam como estrelas, através da fusão de átomos que forma elementos mais pesados. Quando o reator está em fluxo total, ele superaquece o gás de hidrogênio ionizado e cria o plasma. Com os elétrons arrancados, os núcleos atômicos são fundidos para gerar energia.
Nos reatores de estilo Tokamak, toda a reação é contida dentro de um forte campo magnético. O reator KSTAR gera temperaturas de 300 milhões de graus Celsius. Mas os ímãs fortes usados ??para conter a reação devem ser arrefecidos para virarem supercondutores. Enquanto a fusão nuclear pode ser usada para casas, as empresas ainda podem estar um pouco distantes. A pesquisa prova que a queima de combustíveis pode ser alcançada usando a tecnologia atual.
No início deste ano, um grupo no MIT quebrou o recorde anterior para a pressão de plasma – um dos principais componentes do processo de fusão. O trabalho, realizado no MIT e do Centro de Fusão de Cambridge, em Massachusetts, gerou pressões de até duas atmosferas – quebrando o recorde anterior.
Grupos ao redor do mundo estão analisando a capacidade de produção de energia, com o reator ITER em fase de construção na França. Ele será o maior reator de estilo Tokamak já construído, com 800 vezes o volume do reator do MIT. Engenheiros do projeto esperam alcançar 2,6 atmosferas de pressão quando o reator estiver funcionando totalmente. Eles também esperam gerar temperaturas de 150 milhões de graus Celsius.
A futura meta é uma reação de fusão que dure até 10 minutos, lançando as bases para um reator em pleno funcionamento.

Por
Any Karolyne Galdino

Fonte: Engenharia E

2017-05-31T17:26:08+00:00